Páginas

sábado, 24 de março de 2012

“Há prejuízo na maioria das desistências. Não confunda recuo estratégico ou mudança de rota com desistência!”

Rogério Caldas


“Dizem que há somente duas dores na vida: a dor da disciplina e a dor do arrependimento. Disciplina pesa quilos, enquanto arrependimento pesa toneladas.”

Anthony Robbins


“Que não seja imortal posto que é chama. Mas que seja infinito enquanto dure.”

Vinicius de Moraes


“Nada está gravado em pedra! Tudo está escrito na areia e provavelmente será apagado ou alterado pela próxima onda ou vento que passar.”

Tom Peters


“Existem dois objetivos para serem atingidos na vida: Primeiro, conseguir o que se quer; e, depois, desfrutar o que se obteve.  Apenas os sábios realizam o segundo.”

Dale Carnegie


“O sucesso profissional é alcançado com sangue, suor e lágrimas.”

Antônio Ermírio de Moraes


“Uns sonham com o sucesso. Nós acordamos cedo e trabalhamos duro para consegui-lo.”

Abílio Diniz


“Nada resiste ao trabalho. Não existe muito esse negócio de talento, o que existe mesmo é dedicação, esforço e suor!”

Nuno Cobra


“O segredo do sucesso não é fazer o que se gosta, mas, sim, gostar do que se faz.”

Cecília Meireles – Poeta, escritora


“Tenha sempre em mente que tomar sempre a resolução de ser bem-sucedido é mais importante do que qualquer outra coisa.”

Abraham Lincoln

sexta-feira, 23 de março de 2012

Diferentes formas de ler

Márcia Abreu

Até há alguns anos atrás não se imaginava que as formas de ler pudessem ter se alterado desde que o homem inventou maneiras de registrar conteúdos por escrito e formas de decifrá-los. Imaginava-se que a leitura sempre se fizera como supomos que ela hoje se faz, em silêncio e solitariamente, de modo a favorecer a concentração e o recolhimento. Supunha-se que, em todas as épocas, ler implicava pensar sobre textos e interpretá-los, exigindo habilidades superiores à capacidade para decifrar os sinais gráficos da escrita. Acreditava-se que o contato com os livros foi sempre valorizado por favorecer o espírito crítico, tornando o leitor uma pessoa melhor por meio do contato com experiências e idéias registradas por escrito. 

Por avaliarmos positivamente essa experiência, pensamos que se devem ler muitos e variados livros. Dentre todas as obras disponíveis, temos especial predileção pela literatura, no interior da qual ocupa espaço importante a ficção em prosa. Sobretudo quando se trata de estudantes, julgamos essencial em sua formação a leitura dos clássicos universais e dos melhores autores nacionais.

Essas idéias, resumidamente apresentadas, correspondem, em linhas gerais, ao que muitos pensam sobre leitura e que alguns tomam como fundamento de sua prática como professores ou como fomentadores de leitura.

Entretanto, nem sempre foi assim. Ao contrário, essas idéias pareceriam disparates completos em outras épocas. A começar pela leitura em silêncio - que hoje nos parece a coisa mais comum. Certa vez, Santo Agostinho visitou Santo Ambrósio - quando os dois viviam em Milão mas nenhum deles era ainda santo - e surpreendeu-se ao encontrá-lo realizando estranha atividade:

"Quando ele lia, seus olhos perscrutavam a página e seu coração buscava o sentido, mas sua voz ficava em silêncio e sua língua era quieta."

Para Santo Agostinho parecia prodigioso que se lesse com a língua quieta, pois ler em voz alta era a norma no século IV d.C., situação que se prolongou até o século XIV, quando muitos nobres ainda dependiam da oralização das palavras para compreensão de um texto. 

Mesmo depois dessa época, quando se generalizou a leitura silenciosa, ler em voz alta era uma forma de sociabilidade comum. Lia-se em voz alta nos salões, nas sociedades literárias, em casa, nos serões, nos cafés. Esse tipo de leitura, além de permitir o contato com idéias codificadas em um texto, era forma de entretenimento e de encontro social. Tão importante era a prática da leitura oral que um manual de leitura do século XVIII intitulado Petit Cours de Littérature, à l'usage de la jeunesse de l'un et l'autre sexe, escrito pelo francês Le Texier, definia leitura como:

"A arte de bem ler não é nada além da arte de bem dizer aquilo que está escrito, ou seja, dar às frases que se tem a pronunciar e às palavras que as compõem a verdadeira expressão de que são suscetíveis. Deste ponto de vista, pode-se ver a analogia perfeita que existe entre a Arte de bem ler e aquela de bem falar".

Embora a definição de Le Texier pressuponha a decifração da escritura, enfatiza a destinação oral desta atividade. No século XVIII e início do XIX, o conceito de leitura parece confundir-se com a fala e a audição, podendo prescindir da habilidade de decifração dos sinais gráficos de que se compõe a escrita. Se entre intelectuais o processo de ouvir ler fazia parte das formas de sociabilidade, parecendo coisa comum, qual não seria o poder de divulgação dos escritos entre os não letrados? Por meio da leitura oral, iletrados também poderiam entrar em contato com conteúdos registrados por escrito.

Durante a primeira metade do século XIX a leitura oral era uma das formas de mobilização cultural e política dos meios urbanos e dos operários. Depois disso, numerosas formas de lazer, de sociabilidade e de encontro, antes mantidas pela leitura em voz alta, tornaram-se cada vez mais restritas. A partir daí as elites passaram a restringir os usos da oralização dos textos. Lia-se em voz alta nas Igrejas e nos tribunais. Lia-se em voz alta nas escolas para controlar a qualidade de sua leitura silenciosa - objetivo final da aprendizagem. No passado, a leitura tomava parte em um conjunto de práticas culturais que passavam pelo livro: a escuta dos textos, sua memorização, o reconhecimento, nas letras impressas no papel, do texto repetidas vezes ouvido, sua recitação para si ou para um grupo.

É relativamente recente também a idéia de que o bom leitor é o que lê muitos e variados textos. Durante séculos a quantidade de impressos disponível era pequena, seu preço, elevado, e o livro, muitas vezes, sacralizado - mesmo que não tratasse de tema religioso. O bom leitor era aquele que lia pouco, relia com freqüência e meditava muito sobre os escritos. Ler muito poderia ser visto como um problema - até mesmo para a saúde.

Na segunda metade do século XVIII, o médico suíço Tissot escreveu um livro intitulado A Saúde dos Homens de Letras em que apresentava os perigos que a leitura oferecia para a saúde. Ele explicava que o esforço continuado de intelecção de um texto prejudicaria os olhos, o cérebro, os nervos e o estômago:

"Os inconvenientes dos livros frívolos são de fazer perder tempo e fatigar a vista; mas aqueles que, pela força e ligação das idéias, elevam a alma para fora dela mesma, e a forçam a meditar, usam o espírito e esgotam o corpo; e quanto mais este prazer for vivo e prolongado, mais as conseqüências serão funestas. [...] O cérebro que é, se me permitem a comparação, o teatro da guerra, os nervos que dele retiram sua origem, e o estômago em há muitos nervos bastante sensíveis, são as partes que mais sofrem ordinariamente com o trabalho excessivo do espírito; mas não há quase nenhuma que não se ressinta se a causa continua a agir durante muito tempo."

Todo o organismo parecia sofrer os efeitos da leitura pois ela agiria duplamente sobre ele, forçando continuamente o espírito ao mesmo tempo que mantinha o corpo em repouso durante longos períodos. Diz o autor que, em sua prática clínica, encontrou os mais graves distúrbios de saúde, originados da leitura e escrita. A "intemperança literária" causa perda de apetite, dificuldades digestivas, enfraquecimento geral, espasmos, convulsões, irritabilidade, atordoamento, taquicardia, podendo conduzir à "privação de todos os sentidos". A solução para tantos problemas é ler pouco e fazer exercícios. Nada poderia ser mais estranho, dois séculos atrás, do que nosso desejo atual de tornar a todos leitores e fazê-los ler muitos livros.

Mais bizarro ainda pareceria nosso desejo de fazer com que se leia muita literatura e, máxima temeridade, que estimulemos a leitura de romances. Eles foram vistos, até o século XIX, como um forte perigo para a moral, especialmente a das mulheres e moças. 

Supunha-se que a leitura de romances levava ao contato com cenas reprováveis, estimulando a identificação com personagens envolvidos em situações pecaminosas como as mentiras, as paixões ilícitas e os crimes. Acreditava-se, talvez mais do que nós o façamos, no poder da leitura na determinação de comportamentos: um leitor de romances certamente desejaria transportar para sua vida real as situações com que travara contato por meio do texto. Também perigoso era o impulso de imaginar-se no lugar dos personagens envolvidos em situações criminosas: supor-se no lugar de uma adúltera era quase tão grave quando praticar o adultério. Mesmo os que resistissem à tentação de aproximar a matéria lida do mundo vivido seriam prejudicados pois ocupariam tempo precioso com a leitura de material tão pouco elevado, esquecendo-se de suas obrigações cotidianas. 

Considerando os efeitos maléficos advindos do contato com romances, chegou-se a propor, na França, a aprovação de leis proibindo a criação e edição de romances nacionais e a circulação de importados. Os europeus não foram os únicos a se preocupar. Um autor mexicano, Manuel Payno, considerava que o contato de mulheres e romances deveria ser controlado. Acreditava que um homem culto poderia ler todo tipo de obra, já as mulheres...

"Há mulheres que sentem tédio só de olhar para um livro - isto é mau - . Há outras que devoram quanta novela cai em suas mãos - isso é pior - . [...] Uma mulher, que lê indistintamente toda classe de escritos, cai forçosamente no crime ou no ridículo. De ambos abismos somente a mão de Deus a pode tirar. [...] Mulher que lê as Ruinas de Volney é temível. A que constantemente tem em sua cesta de costura a Julia de Rousseau e a Heloisa e Abelardo é desgraçada. Entre a leitura das Ruinas de Volney e a de Julia é preferível a de novenas."

Manuel Payno escreve em meados do século XIX e faz eco à tradição colonial de temor em relação aos livros. Nem é necessário lembrar que, durante o período colonial, as metrópoles européias sempre tiveram maior preocupação em proibir leituras e dificultar o acesso aos livros nas Américas do que em estimular a alfabetização e a circulação dos impressos.
Percebe-se, assim, que as formas de leitura e as concepções sobre o ato de ler variaram bastante ao longo dos tempos.

Nossa idéia corrente do que seja ler é, em grande medida, tributária de idéias e imagens construídas no final do século XVIII e ao longo do XIX que foram fortes a ponto de fazer parecer que ler sempre foi aquilo que mostravam. Se as práticas anteriores podem nos parecer estranhas, situações criadas no XIX nos são bastante familiares, especialmente aquelas fixadas em pinturas do época. Nesse período os livros são parte importante na composição de retratos, indicando principalmente o poder social e a posição intelectual dos retratados, que, em geral, são homens. Inúmeras são as obras em que senhores bem vestidos posam diante de uma biblioteca ou estante. Também indicando seu interesse intelectual alguns são vistos lendo jornais, em suas casas ou em espaços públicos.

Humboldt em sua biblioteca -1856 

Já as mulheres são apresentadas no interior de suas casas, sozinhas ou acompanhadas de familiares e amigos. Mais raramente, a leitura ocorre em contato com a natureza em um jardim ou praia. Em geral, estão completamente absortas pelo que lêem, mal dando atenção ao pintor. Se sua leitura foi interrompida elas parecem ainda meditativas, tomadas pelo livro. Um pouco menos freqüentes são as cenas em que grupos de mulheres trabalham enquanto uma lê - para si ou para todas.

 A Leitura - Almeida Junior - 1892

Esta leitura coletiva é mais comum quando crianças entram em jogo: as mulheres podem ler para elas ou acompanhar e verificar sua leitura. Crianças lendo sem a supervisão de adultos não aparecem com muita constância mas, quando surgem, o artista compõem um mundo tranqüilo onde pequenos bem comportados estudam ou se divertem. 

 

Os espaços de leitura são também bastante homogêneos: casas confortáveis, bibliotecas luxuosas; sofás e poltronas aconchegantes, mesas repletas de livros e papéis; jardins floridos, algum café. Homens, mulheres e crianças lêem fundamentalmente livros - exceção feita a um ou outro retrato de homem lendo jornal. Mesmo que na maior parte das vezes não se possa reconhecer as obras lidas não há como confundi-las com panfletos ou folhas de anúncios. 

Há dois modos fundamentais de contato com o escrito: a leitura de instrução, associada aos livros técnicos e ao universo masculino, e a leitura de entretenimento, vinculada à literatura e ao mundo das mulheres e crianças. 

Esta associação entre leitura e enobrecimento do sujeito foi construída historicamente, tendo recebido forte impulso com a ascensão da burguesia. Homens e mulheres bem instalados socialmente parecem ter ficado satisfeitos em associar-se a certos sinais exteriores de sucesso: boas casas, belos vestidos, ambientes confortáveis, e livros. 

Passaram-se os séculos, alterou-se o meio, mudou a tecnologia, mas o imaginário em torno ao ato de ler permanece. 

Isto se percebe claramente em fotos divulgadas na Internet, sobretudo em sites pessoais. Em pesquisa realizada em duzentas páginas que contêm imagens de leitura, foi possível perceber uma extrema uniformidade nos modos de representação. A julgar por estas fotos, a leitura contemporânea realiza-se em casas, bibliotecas públicas ou escolas. Nestes dois últimos espaços, predominam as mulheres que tomam a leitura como parte de sua atividade profissional: são bibliotecárias sorridentes diante de estantes de livros ou professoras, também sorridentes, em sala de aula. Nas residências, o local preferido parece ser o sofá; nele homens e mulheres instalam-se para ler solitariamente ou abraçam-se enquanto olham para um mesmo livro; nele a família reúne-se para que os adultos leiam para crianças. Quando elas são fotografadas sem a presença de adultos, espalham-se pelo chão, rodeadas de grandes livros cheios de figuras. Embora alguns leiam jornais, a maioria tem um livro entre as mãos. Ler parece ser um ato prazeroso, que se realiza em ambientes confortáveis, tranqüilos e harmônicos. 

http://www.geeks.org/~ksquires/new_years_99/eric_reading.JPG 

Pode-se pensar: mas a leitura é assim mesmo! Talvez não seja. É possível que estes modos e objetos de leitura não sejam os únicos ou mesmo os mais freqüentes. Provavelmente aparecem com tanta intensidade apenas porque estas são as práticas socialmente valorizadas. Pessoas que elaboram páginas pessoais na Internet convidam-nos a exercitar nosso voyerismo: querem que penetremos em sua intimidade, querem compartilhar seu cotidiano com milhares de desconhecidos. Acreditam que sua vida privada é tão interessante ou exemplar que vale a pena mostrá-la. E ao construir uma imagem positiva de si recorrem, com freqüência, aos livros e à leitura. 

Pensa-se em situações semelhantes a essas quando se discutem as práticas de leitura a serem promovidas no mundo contemporâneo. Como elas não são encontradas com freqüência (ou não são encontradas com a freqüência esperada) difunde-se a idéia de que vivemos uma crise da leitura, de que as pessoas não gostam dos livros, de que é preciso fazer campanhas para incentivar o "hábito" de ler. 

Enquanto buscamos uma leitura ideal, não vemos o que temos diante dos olhos.

Pesquisa recente, intitulada Retrato da Leitura no Brasil, mostrou alguns dados surpreendentes. A enquete, realizada entre 10 de dezembro 2000 e 25 de janeiro de 2001, baseou-se em 5.503 entrevistas realizadas com pessoas acima de 14 anos e com 3 anos de escolaridade, residentes em 46 cidades - o que corresponde a um universo estimado de 86 milhões de pessoas. 

Ao contrário do que normalmente se dizia, os brasileiros têm uma boa relação com os livros: 89% vêem neles um meio eficaz de transmissão de idéias; 82% acham que é uma importante forma de se atualizar; 81% acreditam que é importante ler para os filhos; 78% gostam de ler livros; 62% leram ou consultaram livros em 2000; 30% leram livros nos três meses que antecederam a pesquisa; 20% compraram ao menos 1 livro em 2000; 14% estavam lendo um livro no dia da entrevista. Embora sejam animadores os dados sobre a relação dos brasileiros com os livros, eles não são o objeto de leitura mais freqüente. Vejamos como os entrevistados responderam à pergunta "você costuma ler":

Cartazes ou folhetos de propaganda......85%
Placas de rua...........................................84%
Letreiros de ônibus..................................78%
Revistas...................................................75%
Jornais......................................................68%
Livros........................................................62%

Se os três primeiros tipos de leitura são muito pragmáticos, é preciso prestar atenção no fato de se preferir (ou de se ter mais acesso) a revistas e jornais do que a livros. 

O perfil do leitor mais comum é também inesperado: tem entre 14 e 19 anos de idade (45% do total), tem nível médio de escolaridade (38% passaram pelo colegial enquanto 29 % ficaram entre a 5a e a 8a séries), mora na região Sudeste (49%, seguido de 17% de habitantes da região Sul) e não tem muito dinheiro (34 % pertence à classe C e 31% à classe B ). São os homens os maiores leitores: são 51% de homens contra 49% de mulheres. 

E o que eles lêem? Quando perguntados especificamente sobre os gêneros de "leitura habitual", os homens responderam que lêem "livros religiosos" (35% incluindo a Bíblia), histórias em quadrinhos (34%), livros de informática (20%), aventura e poesia (cada qual com 19%). Dentre os gêneros de "leitura habitual", as mulheres também mencionaram os livros religiosos (50% incluindo a Bíblia), mas na seqüência divergiram dos homens pois lêem livros de culinária (33%), quadrinhos (31%), livros infantis (27%), poesia (26%), romance (24%), história de amor (21%) e literatura juvenil (19%). 

É interessante observar o que essas pessoas pensam encontrar nos livros. Os homens buscam informação: declararam comprar livros pois desejam "obter conhecimento", "evoluir profissionalmente" e "estar atualizado" (59%). Já as mulheres esperam encontrar ali "momentos de distração e lazer" (23%) e meios "evoluir espiritualmente" (20%) - também pensam que um livro pode ser um bom presente (15%). Como se vê, a imagem construída há séculos de um homem cercado de livros em uma biblioteca e de uma mulher recostada em um sofá com livro na mão ainda fala fortemente ao nosso tempo, especialmente no caso dos homens com seu desejo de ter sucesso profissional por meio da leitura.

Resta saber onde as pessoas conseguem os livros que lêem. A pesquisa, encomendada por empresários do setor livreiro, tinha em mira os compradores de livros, os quais, como mostrou a enquete, são menos numerosos do que os leitores. Apenas metade do acesso aos livros lidos se faz por meio da compra; outras possibilidades são o empréstimo em bibliotecas (8%) e o recebimento de livros dados pela escola (4%). 

Quem deseja comprar uma obra, ao contrário do que se supõe, não busca necessariamente uma livraria. Embora 57% dos livros tenham sido comprados em lojas especializadas, foram adquiridos também em bancas de jornal (8%), igrejas (8%), vendedor porta em porta (7%). É interessante perceber que essa distribuição altera-se conforme o nível de renda do comprador. Os mais ricos freqüentam livrarias (73%) enquanto para os estratos mais baixos a venda porta a porta é fator importante para o acesso aos livros. Os mais pobres vão às livrarias em 34% dos casos e, em segundo lugar, recorrem a um vendedor porta em porta (19%) - depois vão a bancas de jornal (11%) e a igrejas (15%). Os dados mostram também que o papel dos vendedores porta a porta é inversamente proporcional ao tamanho da cidade: 16% das pessoas de cidades pequeninas compram livros assim, enquanto apenas 3% das que vivem em metrópoles o fazem. Assim, é preciso avaliar com cuidado a representatividade de listas de best sellers divulgadas em jornais e revistas pois ali se consideram apenas os livros (e não revistas, brochuras etc.) vendidos em livrarias (e não nos outros pontos de venda que se mostraram relevantes para certos segmentos).

Importa enfatizar que a pesquisa mostrou que os brasileiros apreciam os livros e acreditam que eles podem contribuir para fazer sua vida melhor. Demonstrou também que os brasileiros fazem do mercado editorial um bom negócio - proporcionando um faturamento global da faixa de R$ 2 bilhões de reais. Revelou, ainda, que os leitores estão distribuídos pelas diversas classes sociais, inclusive pelas mais baixas. 

Embora haja leitores em todas as classes, a distribuição de livros acompanha a distribuição de renda no país: não há maior quantidade de compradores (e talvez de leitores) pois os livros custam caro e as pessoas ganham pouco. A leitura associa-se também à escolarização dos sujeitos. Ou seja, quando mais rica e mais escolarizada for a pessoa mais ela lerá.

Dessa forma, a pesquisa deixou claro que, nos últimos anos, têm sido enfrentados falsos problemas e têm se deixado de lado questões fundamentais. Não parece necessário fazer campanhas para divulgar a idéia de que ler é um prazer, de que ler faz bem para as pessoas - pois elas demonstraram que já acreditam nisso. Mas é preciso criar condições sociais para que o desejo de ler torne-se realidade, enfrentando as violentas desigualdades sociais brasileiras. Só 7% dos pesquisados encontram-se nos estratos mais abastados da população e desta parcela vêm 48% dos compradores de livros. 14% dos leitores afirmou não possuir nenhum livro enquanto 1% possui uma biblioteca com mais de 500 exemplares. 

Para fazer deste um país de leitores será necessário possibilitar a toda a população o acesso a escolas de qualidade. Será necessário também distribuir melhor a renda, não só para que mais gente possa comprar livros, mas para que mais gente possa ficar na escola por mais tempo. 

O estudo revelou também quais são os obstáculos que as pessoas encontram em sua relação com os livros: 57 % disseram que não compram livros devido ao custo dos impressos e à falta de dinheiro. Como ficou claro acima, não se trata de um problema com a leitura mas de um problema econômico - não compram livros assim como não compram carne ou iogurte. Essa é uma situação injusta e que se torna mais aguda pela precariedade da rede de bibliotecas. Leitores não precisam ser compradores de livros. Deve ser papel do governo, na área específica da leitura, aumentar o número de bibliotecas públicas no país e ampliar seus acervos, muito mais do que envolver-se em campanhas publicitárias de estímulo à leitura.

Mas é preciso pensar nos livros que devem compor o acervo dessas bibliotecas. Os dados da pesquisa forçam uma reflexão sobre a concepção corrente de leitura e de livro. Ficou claro que a literatura não ocupa os primeiros lugares na preferência dos leitores. Homens e mulheres voltam-se para os livros religiosos e para os livros técnicos e profissionais. Se pensamos em uma leitura de lazer, os mais procurados são quadrinhos. Quando as mulheres dizem que gostam de ler poesias, romances e histórias de amor e homens dizem que gostam de poesia e de aventura é bem provável que não estejam pensando nos clássicos da literatura erudita. Basta ver as listas dos best sellers para saber de que romances, histórias de amor e de aventura eles estão falando. 

Não parece razoável, portanto, que se continue a pensar apenas nas obras consagradas, nos grandes escritores e pensadores. É preciso conhecer as leituras correntes, aquelas que pessoas comuns realizam em seu cotidiano. E sobre isso pouco sabemos. 

A Associação de Leitura do Brasil, da qual faço parte, tem buscado questionar concepções correntes de leitura e chamar a atenção para a diversidade dos objetos e dos modos de ler. Neste sentido, pedimos ao fotógrafo e professor da UFPr, Ângelo José da Silva, que buscasse os leitores anônimos, pessoas comuns com que ele se deparasse pelas ruas. O espaço público mostrou abrigar grandes quantidades de leitores, que se recostavam em árvores de praças, deitavam em gramados de parques, acomodavam-se em bancos de jardins, realizavam malabarismos equilibrando-se em ônibus, apoiavam-se em colunas de metrô. 

Fotos de Ângelo José da Silva 

Um velho sentado em precário banquinho lê um tablóide; a distância do texto em relação aos seus olhos, talvez indique problemas de visão e, mesmo assim, ele mantém-se interessado. Homens lêem em um parque. O mais velho lê um pequeníssimo livro - ou seria uma caderneta de anotações? - quando para o fotógrafo voltou o olhar, sério ou aborrecido com a interrupção. Talvez preocupado com ladrões que poderiam se aproveitar do momento de distração com a leitura, coloca seus pertences - sapatos e casaco - sob seu corpo. O mais jovem parece ser o mais entusiasmado: no rosto um discreto sorriso, os olhos presos no livro de papel barato. Um homem negro, pobre, lê um livreto. Com seus sacos e alguns embrulhos talvez transporte consigo todas as suas propriedades - dentre elas um livro, que lê atentamente.

Essas fotos retratam algumas práticas de leitura comuns - mas que desconhecemos. Uma concepção elitista de cultura as torna invisíveis e faz com que saibamos pouco sobre esses leitores e sobre os objetos de leitura pelos quais se interessam. A delimitação implícita de um certo conjunto de textos e de determinados modos de ler como válidos e o desprezo aos demais nos cega para grande parte das leituras realizadas no cotidiano. 

Estes leitores anônimos e involuntariamente retratados são diferente em tudo daqueles fixados em telas do passado anteriormente comentadas. A leitura não parece enobrecê-los; a idéia de conforto não está associada a sua prática; os objetos que tomam para ler não são os da alta cultura. Lêem sozinhos em um ambiente que é de todos. Lêem para passar o tempo ou para descansar. Não parecem orgulhosos de sua posição. 

Essas imagens mostram que é necessário ampliar os estudos do livro e da leitura para além do círculo restrito das obras consagradas ou da imagem que nelas se faz de livros e leituras. Nem todos os leitores são gente branca e bem vestida em casas elegantes e confortáveis.


“Quando você perde o foco, você perde o poder.
No mundo contemporâneo, o foco é o que move o sucesso de uma empresa.”
  
Al Ries


“A boa madeira não cresce com sossego; quanto mais forte o vento, mais fortes as árvores.”

J. Willard Marriott


“Recessão é quando o seu vozinho perde o emprego; depressão é quanto você perde o seu.”

Harry S. Truman


“A tecnologia trouxe uma contribuição decisiva para a humanidade, mas trouxe também seus efeitos colaterais.”

Rogério Caldas


“O homem a quem é negada a oportunidade de tomar decisões de importância começa a considerar importantes as decisões que ele pode tomar. Torna-se exigente com os arquivos, alerta aos lápis apontados, ansioso em verificar se as janelas estão abertas (ou fechadas) e inclinado a usar lápis de duas ou três cores diferente.”

Prof. C. Northcote Parkinson


"Se você pode sonhar, você pode realizar"

Charles Chaplin


“Obstáculos são aquelas coisas medonhas que você vê quando tira os olhos do seu objetivo.”

Henry Ford

“Viver sem ter amor não é viver.”

Vinicius de Moraes

quinta-feira, 22 de março de 2012

Operação Cracolândia

Cracolandia.jpg (640×280) 

Segundo a opinião do Sr. Mauro Aranha, vice-presidente do Cremesp e também presidente do Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas (Coned-SP), a operação policial de combate ao uso e tráfico do crack, desencadeada pelo governo estadual na Cracolândia (zona central da capital paulista) no início desse ano, desarticulou as ações de saúde e assistência social na região com a dispersão dos dependentes para outros bairros de São Paulo. Ele afirma ainda, que a atuação das equipes de saúde da Prefeitura, que buscam se aproximar dos usuários para convencê-los a se tratar, ficou comprometida com a ação policial. Com a dispersão dos usuários, é provável que os agentes tenham perdido o acesso àqueles com quem estabeleceram contato nos últimos anos.
Os usuários passaram a se aglomerar e se arriscam, por exemplo, perto dos trilhos da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), na Barra Funda; nas ruas dos bairros da Luz, Santa Cecília e Liberdade; ou ainda migram para outras regiões de São Paulo, como a zona sul, se refugiando para consumir a droga sob os viadutos da avenida 23 de Maio e vias do Brooklin, formando "minicracolândias" pela cidade.

Eu concordo plenamente com o Sr. Mauro Aranha e acho que a operação foi feita sem nenhum planejamento estrutural e social, apesar da Prefeitura prometer expandir o atendimento a usuários após ação policial na Cracolândia, eu acho que o trabalho já realizado pelos agentes foi "perdido" e demorará a ser recuperado.

Com a dispersão dos usuários, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) promete expandir a área de atuação dos agentes comunitários do Programa Saúde nas Ruas, incluindo mais Assistência Médica Ambulatorial (AMAs) na rede de referência com profissionais orientados para dar o acolhimento/atendimento adequado à população em situação de vulnerabilidade. Cada uma dessas AMAs tem Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD) referenciados na região.

Eu, sinceramente, não vi uma ação organizada e achei a mesma "falha" pelo fato da estrutura de "enfrentamento ao crack" não estar planejada e montada para evitar a dispersão e a falta de atendimento aos usuários. Sem mencionar, a questão da falta segurança sentida pela população nas ruas, com os usuários da droga tentando fugir, se esconder da polícia e migrando para outras ruas e bairros da cidade.
Na minha opinião, esses AMAs, não conseguirão oferecer o atendimento adequado, pois canso de ver matérias falando sobre a falta de médicos para atendimento da população, sobre a demora para conseguir atendimento e sobre a dificuldade na continuidade do tratamento nas unidades. Se isso ocorre com um paciente normal, imagine como será o atendimento aos usuários de álcool, drogas e mais precisamente do crack.

É para se pensar!!!

Fonte de pesquisa: Jornal do Cremesp - março/2012

O Cremesp e a operação Cracolândia - Posicionamento

 
 Dispersão dos usuários da Cracolândia

Nota oficial

Posicionamento sobre a ação na Cracolândia
O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), considerando a intervenção recente na região da Cracolândia, defende a adoção imediata de ações sincronizadas entre as áreas da saúde, assistência social e justiça.

O uso de crack e outras substâncias químicas de ação psicotrópica é um transtorno mental passível de tratamento que depende de procedimentos integrados, médicos e humanitários. Não pode, assim, ser reduzido a uma ação policial intempestiva, que trata todos os cidadãos doentes como criminosos.

Na Cracolândia, há convivência da criminalidade com casos de vulnerabilidade social, problemas familiares, uso recreativo de substâncias e quadros de dependência química moderados e graves, incluindo estados psicóticos provocados pelo consumo de crack. Cada grupo de pacientes exige tratamentos diversos e medidas governamentais articuladas.
Não existe solução única e generalizada para tratar usuários de crack. É necessária a avaliação multiprofissional de cada caso, visando ao encaminhamento adequado do paciente.

Somente os diagnósticos social e clínico corretos podem sustentar cada modalidade de tratamento proposto, desde os consultórios de rua, o albergamento socio-terapêutico, os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), até as excepcionais e pontuais internações involuntárias ou compulsórias.

O Cremesp rechaça o voluntarismo terapêutico e higienista, ao mesmo tempo em que afirma que a Medicina tem muito a contribuir com o resgate dessa população, por meio de ações responsáveis baseadas na ética, no saber técnico-científico, na tolerância e no respeito incondicional ao ser humano.

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo
(Aprovado em sessão plenária de 31 de janeiro de 2012)


Assistência a Dependentes de Crack

 

A epidemia do uso de crack no país e seu poder devastador sobre as condições de saúde e social dos dependentes químicos levaram as entidades médicas - Conselho Federal de Medicina (CFM), Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e Associação Médica Brasileira (AMB) - a elaborar uma cartilha com Diretrizes Clínicas para assistência integral ao dependente do uso de crack. O trabalho foi realizado a partir do seminário Crack: construindo um consenso, realizado em abril de 2011, em Brasília, na sede do CFM.
As Diretrizes definem conceitos relacionados à droga e a seu uso, e trazem orientações sobre abordagem e tratamento dos usuários, além de um guia para avaliação e manejo em casos de urgência que envolvem intoxicação, abstinência aguda ou overdose. Também são abordados aspectos do atendimento a mulheres durante a gestação e amamentação, além da farmacoterapia utilizada para a síndrome de abstinência e manuseio de medicamentos.
A íntegra do protocolo de assistência a usuários e dependentes de crack está disponível para download no site do CFM - www.cfm.org.br.

Males Crônicos

 

Hummm, quem nunca sentiu dor nas costas? Que incômodo!
Pois bem, dos males crônicos, a dor nas costas parece ser um mal inevitável. A Organização Mundial da Saúde estima que, em maior ou menor grau, 80% dos adultos sofrerão pelo menos uma crise de dor nas costas durante a vida. A lombalgia é caracterizada por um desconforto na região inferior da coluna vertebral e que pode ter inúmeras causas. Os erros de postura e os desgastes nas articulações da coluna provocados por pequenos traumas são os mais comuns e muitas vezes eles ocorrem sem nem percebermos. Pode ser por esforço repetitivo durante uma atividade física mal elaborada, por excesso de peso ou mesmo por sentarmos de forma incorreta por longos períodos.
Segundo especialistas, essa dor também pode ser desencadeada por questões emocionais, estresse e depressão. O estresse e a depressão estão entre os principais detonadores do problema, pois causam um desequilíbrio na quantidade de serotonina, substância envolvida no mecanísmo da dor e que tem ação analgésica.

Dica:

Alongar-se bem sempre;
Manter-se tranquilo;
Alimentar-se bem e controlar o peso;
Dormir num bom colchão;
Prestar atenção na postura;
Praticar atividade física com orientação.

Cacau contra a inflamação

 

Segundo um estudo da Universidade San Francisco, na Califórnia, publicado na revista do Colégio Americano de Cardiologia, o cacau puro tem uma concentração surpreendente de polifenóis - substâncias anti-inflamatórias com o poder de reparar e manter os vasos sanguíneos saudáveis, afastando o risco de doenças cardiovasculares. Da família dos antioxidantes, os polifenóis (também presentes nos chocolates com cacau extra, na uva e no morango) ainda deixam a pele bonita e jovem.

Dica:

Transforme o seu achocolatado de todos os dias em um aliado do coração, troque o leite integral pelo leite desnatado e o acholatado comum pelo cacau em pó sem açúcar.

Dia Mundial da Água: saiba como tornar sua água mais potável


A água, apesar de tratada nas estações, pode chegar a sua torneira um pouco suja. Veja como torná-la mais potável.

Por MADSON MORAES

Todo dia 22 de março é comemorado o Dia Mundial da Água, uma data criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) que serve para propor novas discussões sobre diversos temas relacionados a este líquido natural tão caro a nós. Ok, sabemos que apenas dois terços do planeta é formado por água e que, por isso, evitar o desperdício é um ato de cidadania. Mas a água que chega a nossas torneiras realmente é de qualidade?

O trajeto, de certa forma, é assim: após passar horas dentro de uma estação de tratamento que inclui as fases de decantação da sujeira, filtragem e adição de cloro e flúor, entre outras etapas, a água sai de lá potável e poderia ser consumida direto da torneira. Mas há inúmeros fatores que podem ocorrer no caminho até a casa do consumidor e deixar essa água não tão potável como antes.

Os fatores para essa água ser alterada são vários: a rede de distribuição por onde passa a água tratada pode sofrer quebra e infiltração, por exemplo. Ou pode acontecer de o abastecimento de água for cortado por algumas horas ou até dias como é frequente de acontecer nas grandes metrópoles. Assim, os encanamentos podem enferrujar e sujar a água que passará por ali assim que as comportas forem abertas.

Consumir água não tratada é um perigo porque pode provocar diversas doenças como diarreia e amebíase. Isso sem contar que a utilização de água com excesso de cloro e sujeira pode danificar equipamentos, manchar roupa e trazem outros prejuízos para a sua família.

Escolher o purificador elétrico ou aquele filtro de torneira é uma dúvida que todo mundo tem quando decide comprar um filtro e, no final, escolhe por conta do valor do produto. Mas saiba que o que garante a eficiência do produto, são as funções dos elementos filtrantes e o grau de filtração. Características e informações que você pode verificar na embalagem do produto e selos do Inmetro. Mas dá para filtrar a água da casa? Com purificador elétrico ou de torneira? Quais as características que meu filtro tem que ter para preservar a água?

Veja como deixar a água da sua casa mais potável. 

Como evitar o desperdício de água

Dados da ONU indicam que 4 bilhões de pessoas devem sofrer com a falta de água até 2050. O desperdício está na raiz do problema da falta de água. Veja como economizar desde já!

Por MADSON MORAES

A água é essencial para a atividade humana em qualquer aspecto. Não vivemos sem. Só para você ter uma ideia do quanto necessitamos dela, o corpo humano é constituído de 70 a 75% de água. Um adulto precisa beber pelo menos de 1,5 a 2 litros por dia e não pode suportar por mais de três dias a ausência. Mas por que a água está envolvida em todos os processos humanos?

A resposta pode ser exemplificada. Um carro, para ser produzido, necessita de 5.600 litros por unidade. Já o computador que você usa em casa ou no trabalho precisou de 1.500 litros de água para ser feito. Ou seja, precisamos dela para tudo. Por isso, evitar o desperdício é importante para que nunca falte água.Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), cada pessoa necessita de 3,3m3/pessoa/mês (cerca de 110 litros de água por dia) para atender às suas necessidades de consumo e higiene. No entanto, no Brasil, o consumo por pessoa consegue chegar a mais de 200 litros/dia. Há diversas razões para esse desperdício. O banho demorado, a lavagem do carro com mangueira, a torneira derramando água enquanto escovamos os dentes, entre outras, contribuem para esse desperdícios.

Trocando em miúdos: gastar mais do que a ONU recomenda é jogar dinheiro fora e desperdiçar nossos ricos recursos naturais. Dados também da ONU indicam que 4 bilhões de pessoas devem sofrer com a falta de água até 2050. Então, que tal diminuir a conta de água da sua casa e ainda ser um agente da natureza? Confirma algumas dicas para você evitar esse desperdício.

Quer economizar água na hora de lavar o carro? Ou no momento de regar as plantas?


terça-feira, 20 de março de 2012

Os benefícios da Semente de Linhaça

 

É considerada como um alimento funcional, ou seja, que contém, além de seus nutrientes básicos (carboidratos, proteínas, gorduras e fibras), elementos que podem diminuir o risco de algumas doenças pois seu uso contínuo pode proporcionar aumento da defesa orgânica e redução do ritmo de envelhecimento celular. 

Na composição da semente de linhaça estão presentes proteínas, fibras alimentares e ácidos graxos poliinsaturados (Ômega 3 e Ômega 6), que lhe conferem a propriedade de alimento funcional. A semente de linhaça é a mais rica fonte de Ômega 3 existente na natureza. 

Os investigadores do INSTITUTO CIENTÍFICO PARA ESTADO DA LINHAÇA DO CANADÁ e dos Estados Unidos, têm enfocado sua atenção no rol desta semente na prevenção e cura de numerosas doenças degenerativas.

Muitos estudos estão sendo desenvolvidos para confirmar os benefícios do consumo regular da semente de linhaça. Alguns desses estudos afirmam que a linhaça poderia ajudar a baixar os níveis de colesterol, pois é rica em fibras solúveis. Também esta sendo estudada outras funções e tem benefícios como:

-- Rejuvenescedor
-- Baixa de peso
-- Auxilia no combate a anemia
-- Auxilia no combate ao câncer: de mama, de próstata, de colon, de pulmão, etc...
-- Auxiliar no combate à acne.
-- Auxiliar no equilíbrio hormonal, amenizando distúrbios causados pela TPM e menopausa;
-- Auxiliar na diminuição do risco de aterosclerose;
-- Auxiliar no controle Diabete - da glicemia 
O consumo regular de linhaça favorece o controle dos níveis de açúcar no sangue. 
Esta é uma excelente notícia para os insulina dependentes.
-- Vitalidade Física
-- Sistema Digestivo
-- Sistema Nervoso
-- Doenças Inflamatórias
--Retenção de Líquidos
-- Sistema Imunológico
-- Sistema Cardiovascular
-- Funcionamento Intestinal
-- Para o auxílio na redução de colesterol ruim, dos sintomas de TPM, menopausa
-- Para combater a agressividade e a obesidade
-- Condições da Pele e do Cabelo

Veja a composição nutricional de 15 g da Semente de Linhaça:

Valor calórico 43 Kcal
Carboidratos 1 g
Proteínas 2 g
Gorduras totais 3 g
Gorduras Saturadas 0 g
Gorduras Trans 0 g
Fibra alimentar 3 g
Ômega-3 58%
Ômega-6 16 %
Sódio 7,8 mg

Além disso, é a maior fonte alimentar de lignanas, compostos fitoquímicos parecidos com o estrogênio, que teriam propriedades anticancerígenas, principalmente em relação ao câncer de mama e cólon. Ainda contém vitaminas B1, B2, C, E e Caroteno e minerais como ferro, zinco, alguma quantidade de potássio, magnésio, fósforo e cálcio. 

A semente de linhaça moída trás mais benefícios nutricionais que a semente inteira, que possui uma casca dura, difícil de digerir. Portanto, uma forma fácil de quebrar as sementes é passá-la em um processador ou liquidificador na tecla pulsar, para que não vire pó. Depois, guarde-a em refrigerador, e deixe fora da luz. Desta forma, a utilização será ainda melhor. 

As sementes podem ser utilizadas em iogurtes, saladas, sucos, vitaminas, misturada à cereais, massas de pães e bolos e em todos os outros alimentos. Também pode substituir o óleo ou gordura utilizada em uma receita. Por exemplo, se uma receita pedir 1/3 xícara (chá) de óleo, use 1 colher (sopa) de semente de linhaça moída, em substituição.

Vitalidade Física: 

Um dos mais notáveis indicativos de melhora devido ao consumo de linhaça é o incremento progressivo na vitalidade e na energia.
A linhaça aumenta o coeficiente metabólico e a eficácia na produção de energia celular. Os músculos se recuperam da fadiga do exercício.

Baixa de Peso:

A linhaça moída é excelente para baixa de peso, pois elimina o colesterol em forma rápida. Ajuda a controlar a obesidade e a sensação desnecessária de apetite, por conter grandes quantidades de fibra dietética, tem cinco vezes mais fibra que a aveia. Se você deseja baixar de peso, tome uma colher a mais pelas tardes.

Combate ao Câncer:

De mama, de próstata, de colon, de pulmão, etc...
A semente de linhaça contém 27 componentes anti-cancerígenos, um deles é; a LIGNINA. A semente de linhaça contém 100 vezes mais Lignina que os melhores grãos integrais. Nenhum outro vegetal conhecido até agora iguala essas propriedades. Protege e evita a formação de tumores. Só no câncer se recomenda combinar semente de linhaça moída com queijo cottage baixo em calorias.

Condições da Pele e do Cabelo:

Com o consumo regular de sementes de linhaça você notará como sua pele volta-se mais suave. 
É útil para a pele seca e pele sensível aos raios do sol. 
É ideal para problemas na pele , tais como: psoríase e eczema. 
Recomenda-se também como máscara facial para uma limpeza profunda do cútis. 
Ajuda na eliminação do pano branco, manchas, acne, espinhas, etc. 
É excelente para a calvície . Essa é uma boa notícia para quem sofre de fixar e NUTRIR teu cabelo. Não use vaselinas que danificam teu coro cabeludo e teu cabelo.

Sistema Digestivo:

Prevêem ou cura o câncer de colon. 
Ideal para artrite, prisão de ventre, acidez estomacal.
Lubrifica e regenera a flora intestinal. 
Expulsão de gases gástricos .É um laxante por excelência.
Previne os divertículos nas paredes do intestino. 
Elimina toxinas e contaminadores.

Sistema Nervoso: 

É um tratamento para a pressão. 
As pessoas que consomem linhaça sentem uma grande diminuição da tensão nervosa e uma sensação de calma. 
Ideal para pessoas que trabalham sob pressão. 
Melhoras funções mentais dos anciãos , melhora os problemas de conduta (esquizofrenia). 
A linhaça é uma dose de energia para teu cérebro, porque contém os nutrientes que reduzem mais eurotransmissores (reanimações naturais).

Doenças Inflamatórias:

O consumo de linhaça diminui as condições inflamatórias de todo tipo. Refere-se a todas aquelas doenças terminadas em "TITE", tais como: gastrite, hepatite , artrite, colite, amidalite, meningite , etc.

Retenção de Líquidos:


O consumo regular de linhaça, ajuda aos rins a excretar água e sódio. A retenção de água (Edema) acompanha sempre à inflamação de tornozelos, alguma forma de obesidade, síndrome pré menstrual, todas as etapas do câncer e as doenças cardiovasculares.

Sistema Imunológico:

A linhaça alivia alergias, é efetiva para o LUPUS.
A semente de linhaça por conter os azeites essenciais Omega 3, 6, 9 e um grande conteúdo de nutrientes que requeremos constantemente, faz com que nosso organismo fique menos doente, por oferecer uma grande resistência às doenças.

Sistema Cardiovascular:

 É ideal para tratar a arteriosclerose, elimina o colesterol aderido nas artérias, esclerose múltipla, trombose coronária alta, pressão arterial , arritmia cardíaca , incrementa as plaquetas na prevenção da formação de coágulos sanguíneos. É excelente para regular o colesterol ruim . 
O uso regular de linhaça diminui o risco de padecer de doenças cardiovasculares.
Uma das características UNICAS da linhaça é que contém uma substância chamada taglandina, a qual regula a pressão do sangue e a função arterial e exerce um importante papel no metabolismo de cálcio e energia.

O Dr. J. H. Vane, ganhou o prêmio Nobel de medicina em 1962 por descobrir o metabolismo dos azeites essenciais Omega 3 e 6 na prevenção de problemas cardíacos.

Uma outra forma de conseguir os benefícios da linhaça é consumir o óleo de linhaça, que é extraído da semente inteira, usando métodos de extração desenvolvidos especialmente para este fim (a frio). O produto obtido é engarrafado (para ser usado em saladas ou pratos frios) ou colocado em cápsulas gelatinosas, sendo utilizado como suplementação de ômega-3.

Funcionamento Intestinal:

Para a melhora do funcionamento intestinal: de uma noite para o dia, coloque 1 colher (sopa) de semente de linhaça em ½ copo de água e deixe "descansar" por 12 horas, tome somente a água em jejum pela manhã.
Para evitar o desperdício as sementes podem ser adicionadas sobre saladas, iogurtes vitaminas...

Para o auxílio na redução de colesterol ruim, dos sintomas de TPM, menopausa:

Para o auxílio na redução de colesterol ruim, dos sintomas de TPM, menopausa...
Consuma diariamente 1 colher (sopa) de semente de linhaça preferencialmente triturada (como uma farofinha) sobre os alimentos. Evite que as sementes passem por processos térmicos de aquecimento para que sua gordura boa não oxide.

Para combater a agressividade e a obesidade:

Duas colheres de sopa de linhaça trituradas no liquidificador. Coloca-se água ou suco para adoçar. Todos os dias; tomados em intervalos durante o dia na média de 4x ao dia; essas duas colheres.  
1 colher de sopa de sementes de linhaça moídas (moa uma xícara no liquidificador e guarde o restante no freezer) - 3 colheres de sopa de água 

Modo de preparo:

Misture a farinha e a água em uma tigela pequena. 
Deixe descansar por 1 a 2 minutos. (Torna-se muito espessa se ficar mais tempo). 
Em algumas receitas abundantes em líquidos, as sementes de linhaça moídas podem ser adicionadas diretamente aos ingredientes secos.

Modo de Usar na maioria dos casos: 

Duas colheres de sopa por dia, batidas no liquidificador, se mistura em um copo de suco de fruta, ou sobre a fruta, ou com a aveia, ou iogurte no café da manhã ou no almoço. Podem tomar pessoas de todas as idades (crianças, adolescentes e anciãos). 
Inclusive mulheres grávidas.

Linhaça 

A linhaça é um alimento super completo e faz o maior sucesso entre aquelas pessoas preocupadas com a saúde e a beleza. 
semente do linho já era usada em momentos antigos da história – em mumificações no Egito, vestígios apontam que era usada para tratamento de ferimentos e presentes em rituais.
Considerada um alimento rico em fibras, a casca contém proteínas, minerais e vitaminas. Possui ainda ômega 3 (especialmente a chamada linhaça dourada), ômega 6. Importante lembrar que esses nutrientes (“os ômegas”) contribui muito para a saúde cardiovascular com a redução do LDL (o colesterol ruim). Não para por aí! Essa sementinha ainda tem vitamina E – que contribui para o bom funcionamento das células. Várias pesquisas apontam que a linhaça contribui para diminuir o risco de algumas doenças, aumento da defesa orgânica e redução do ritmo de envelhecimento celular! Tudo isso afasta o envelhecimento precoce e as doenças degenerativas. 
São vários os motivos para comer linhaça.

 

Além disso, auxilia no bom funcionamento do intestino, auxilia no emagrecimento e até dá aquela ajuda para melhorar o cabelo e a pele. Embora a linhaça tenha ficado famosa por ajudar a saciar a fome e contribuir com a perda de peso (acelera o metabolismo), pode-se perceber que seus benefícios não são apenas esses e são muitos!

Pesquisas da Universidade de Toronto (Canadá) apontam mais – que a semente de linhaça é capaz de barrar a metástase em pacientes com câncer de mama (evita que esse tipo de tumor se espalhe e tome conta do organismo). Eita sementinha “porreta”! Se você anda com preguiça, coma linhaça que também dá a maior vitalidade!

Não caia de cabeça na sementinha! A inclusão da semente de linhaça na alimentação deve ser feita de forma gradativa e regular. Por isso não pense que é comer apenas um dia e achar que está tudo resolvido! Deve-se comê-la diariamente.  Há quem diga que uma colher de sopa por dia é o suficiente!

Prepare-se para incrementar sua vida de forma mais saudável. Coloque mais energia e saúde em sua alimentação com a ingestão de linhaça! Faça a diferença!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...